Publicidade 1

Bloqueio da BR-163 no PA compromete chegada de ajuda do exército e PRF aos pontos mais críticos

Obras no trecho próximo ao município de Novo Progresso deram início a interdição e filas de caminhões, que se agravaram com as chuvas intensas da região. Situação preocupa pela impossibilidade das autoridades chegarem aos locais mais críticos para ajudarem na resolução do problema e na prestação de auxilio aos caminhoneiros, já que caminhões ocupam todas as faixas da via.
O Notícias Agrícolas segue acompanhando a situação da BR-163 no estado do Pará. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, obtidas por representantes da Aprosoja Pará, toda a situação se iniciou com a necessidade de interdições na via para realização de obras, inclusive com explosões de pedras com dinamites. O problema foi ainda agravado devido as intensas chuvas que caem na região e são comuns nesta época do ano em toda região Norte.
“Na BR-163 no trecho de Novo Progresso à Moraes de Almeida, onde está tendo obras com empreiteiras e o exército, está muito complicada com muita movimentação de caminhões, inclusive com acidentes acontecendo e formando um tumulto gigantesco”, conta Vanderlei Silva Ataídes, presidente da Aprosoja Pará.
Diante desse cenário e com cerca de 3 mil carretas paradas na estrada, as próprias autoridades federais encontram dificuldades para chegar nos trechos mais críticos, uma vez que os caminhões tomaram toda a extensão da via.
“Eles mandaram equipes de Brasília para esse trecho, mas o pessoal está lá na ponta e as filas duplas dos caminhões que aconteceram no trecho impedem até mesmo a Polícia Rodoviária Federal chegar na ponta da região de Novo Progresso. Está tendo um descontrole dos caminhoneiros e, como o exército não tem poder de multar os caminhoneiros que fazem fila dupla, eles acabam abusando. O pedido é para que eles tenham paciência e um pouco de cautela. Em casos de saques, confusões ou se alguém se acidentar, não tem como chegar os veículos de apoio até ali”, aponta Ataídes.
As chuvas na região só devem cessar a partir do dia 10, porém, como o solo da região amazônica tem características de não secar rápido durante esse período de chuvas, ainda será preciso esperar que a terra seque antes dos caminhões retomarem seu curso rumo ao porto de Miritituba. Nesse contexto, a preocupação fica por conta de cargas perecíveis que possam estragar nesse ínterim e prejuízos no escoamento da safra de grãos, principalmente vindas do norte do Mato Grosso.
Situações como essa são comuns na região que já enfrentou problemas com atoleiros diversas vezes nos últimos anos, sempre nessa época do ano muito chuvosa no Norte. A expectativa do presidente da Aprosoja Pará e de que agora, de uma vez por todas, sejam concluídos os trabalhos nesse trecho da BR-163 e situações como essa não voltem a acontecer.
“Nós temos um alinhamento para que o ano que vem toda essa BR-163 termine esse sofrimento por aqui. O trecho não pavimentado é curto e eu acredito que estamos virando essa página do abandono e que no ano que vem nós não vamos estar aqui mais discutindo essa situação que prejudica o nosso crescimento aqui do estado”, afirma Vanderlei.
Por Noticias Agrícola 
Compartilhar no Google Plus
    Comentar com o Site
    Comentar com o Facebook

0 comentários :

Postar um comentário

Comentários são de responsabilidade se seus autores

Copyright © Roteiro Notícias - Guarantã do Norte e Região
Rua Natal, 550 – Jardim Vitória – Guarantã do Norte - MT
Email: celioroteiro2009@hotmail.com - Fone: (66) 9604 - 2681
Todo material deste site pode ser reproduzido ou editado desde que citada a fonte: Roteiro Notícias
WEBSITE DESENVOLVIDO POR:

Tenha um site!