Publicidade 1
Publicidade 1

Taques diz que ainda avalia usar Fethab para Saúde e nega que obras sejam prejudicadas

O governador Pedro Taques (PSDB) declarou que ainda não "bateu o martelo" quanto ao uso de recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) para a Saúde do Estado e argumentou, que se a medida for necessária para custear o setor, as obras custeadas com o fundo não serão prejudicadas.

“Caso aceita a proposta nenhuma obra será prejudicada", afirmou.

A situação, segundo o tucano, está sendo discutida com o objetivo de buscar um consenso.
“Ainda estamos conversando com prefeitos, empresários e diversos setores e não está nada decidido sobre isso. Já fizemos reunião com 19 deputados, estamos avançando nas negociações”, disse o governador durante vistoria da obra da trincheira, que está sendo construída entre as rodovias MT-010 (Estrada da Guia) e MT-251 (Rodovia Emanuel Pinheiro) nesta sexta-feira (23).

A medida tem o apoio de boa parte da bancada estadual, que tentam viabilizar cerca de R$ 260 milhões retirados do Fethab para direcionar a Saúde.

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), afirmou que os deputados estão estudando a proposta.
“Montamos uma comissão para estudar a saúde e criar uma solução que resolva, ou pelo menos amenize o caos na saúde pelos próximos anos”, disse o presidente da Assembleia.

De acordo com a proposta do Governo, do Fethab Commodities, cujos valores são arrecadados em impostos pagos pelo agronegócio e utilizados na manutenção de estradas, serão retirados R$ 140 milhões. Já do fundo arrecadado com óleo diesel, o Executivo e os demais poderes abrirão mão de R$ 100 milhões e R$ 20 milhões, respectivamente. Ao total, a receita do Fethab para este ano é de R$ 1,6 bilhão.

Rejeição
Desde o início deste mês o assunto tem sido motivo de polêmica, porque o governador relata a necessidade de saldar os repasses aos hospitais regionais e unidades de saúde.

A possibilidade tem provocado manifestação contrária por parte de empresários do agronegócio, transporte, combustíveis e prefeitos do interior. Eles alegam que se a medida for adotada poderia prejudicar os investimentos em obras dos municípios, já que parte do recurso é destinado às prefeituras para investimento neste setor.

Houve menção da Equipe Econômica do Governo de aumentar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre óleo diesel e de suspender o crédito referente à distribuição do óleo diesel no valor de R$ 0,21 centavos, o mesmo valor da cobrança do Fethab para aumentar a arrecadação do Estado por meio do diesel. 

Os Sindicatos das Empresas de Transportes de Carga (Sindmat) e dos Varejistas de Derivados de Petróleo (Sindipetróleo) contestam e argumentam que não têm condições de custear qualquer oneração de imposto, que se ocorrer será repassada ao consumidor.

O setor produtivo defende que os recursos do Fethab continuem a ser destinados à manutenção da malha viária.
Por CAMILA PAULINO
Compartilhar no Google Plus
    Comentar com o Site
    Comentar com o Facebook

0 comentários :

Postar um comentário

Comentários são de responsabilidade se seus autores

Copyright © Roteiro Notícias - Guarantã do Norte e Região
Rua Natal, 550 – Jardim Vitória – Guarantã do Norte - MT
Email: celioroteiro2009@hotmail.com - Fone: (66) 9604 - 2681
Todo material deste site pode ser reproduzido ou editado desde que citada a fonte: Roteiro Notícias
WEBSITE DESENVOLVIDO POR:

Tenha um site!