Publicidade 1
Publicidade 1

Quebra na safra ajuda a derrubar demanda por óleo diesel no Estado

Carretas caminhões frete setembro 10- 2014 (SN/ Luiz Ornaghi) / O consumo de óleo diesel em Mato Grosso despencou 17,12% em novembro se comparado com igual mês de 2015. O volume comercializado baixou de 211,904 milhões de litros para 176,609 milhões/l, entre um ano e outro. No acumulado de 11 meses até novembro, a redução é de 2,29% no Estado e de 5% no país. A crise econômica, a quebra da safra 2015/2016 e o peso da carga tributária têm formado uma conjuntura extremamente negativa para os mais de 140 mil caminhoneiros que trabalham mensalmente com o transporte rodoviário de cargas em Mato Grosso.
Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).“Uma queda de 2 dígitos na venda de diesel é extremamente preocupante para o varejo de combustíveis, porque revela que a crise de fato está forte no transpor-te rodoviário”, avalia Nelson Soares, diretor-executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo).
Para ele, os efeitos da queda no diesel são resultado da retração sistêmica na economia brasileira. “Já que as indústrias estão produzindo menos, e em Mato Grosso, o campo também teve quebra de safra. É natural que tenha menos caminhões para transportar cargas, o que impacta diretamente no varejo do combustíveis”.
O empresário Ranmed Leite Moussa, proprietário de posto de combustível na Capital, diz que apesar da redução na safra 2015/2016, de praticamente 10 milhões de toneladas de grãos se comparada com a safra 2014/2015, o agronegócio ainda tem segurado o varejo de diesel em Mato Grosso. “A crise tem feito com que menos fretes sejam contratados, e isso implica em uma retração em cadeia em todos os setores produtivos, pois em Mato Grosso, a carga transportada é quase que integralmente por rodovias em cima de caminhões”. Entre janeiro e novembro deste ano foram comercializados 2,422 bilhões de litros de diesel no Estado, ante 2,479 bilhões/l em igual intervalo de 2015, uma queda de 2,29%.
O diretor do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), Walter Joner Pereira de Souza, pondera que a queda na demanda pelo transporte rodoviário em Mato Grosso e no país tem feito com que muitos caminhoneiros abandonem a profissão. “Estamos em um momento delicado para a economia, e sem esperança para 2017. Além disso, temos uma elevada carga de imposto sobre o diesel, o que acaba tornando o produto cada vez mais caro, tendo por consequência, o aumento do custo do frete. O resultado são milhares de caminhões parados”.
Diariamente, circulam em média entre 10 mil e 12 mil caminhões em Mato Grosso. Em período de safra chegam a circular 14 mil caminhões.

Por Só Notícias/Agronotícias (foto: Só Notícias/Luiz Ornaghi/arquivo)
Compartilhar no Google Plus
    Comentar com o Site
    Comentar com o Facebook

0 comentários :

Postar um comentário

Comentários são de responsabilidade se seus autores

Copyright © Roteiro Notícias - Guarantã do Norte e Região
Rua Natal, 550 – Jardim Vitória – Guarantã do Norte - MT
Email: celioroteiro2009@hotmail.com - Fone: (66) 9604 - 2681
Todo material deste site pode ser reproduzido ou editado desde que citada a fonte: Roteiro Notícias
WEBSITE DESENVOLVIDO POR:

Tenha um site!