Publicidade 1
Publicidade 1

Quando fui governador, a inflação era de 30% ou 40% todo mês e tinha gatilho salarial, lembra BezerraJacques Gosch

carlos bezerra_gilberto leite (9).JPG
Deputado federal Carlos Bezerra diz que quando governou MT não havia paralisação de servidores
O deputado federal Carlos Bezerra (PMDB), que governou Mato Grosso entre 1986 e 1990, avalia negativamente a gestão do governador Pedro Taques (PSDB). Afirma que os servidores públicos, em greve desde 31 de maio reivindicando a Revisão Geral Anual (RGA) integral de 11,28%, não estão sendo devidamente valorizados. 
“O Estado está uma confusão danada com os serviços públicos paralisados. Quando eu fui governador, a inflação era de 30% ou 40% todo mês e tinha gatilho salarial. A inflação do mês eu dava como aumento aos servidores. Acho que o funcionalismo para produzir tem que estar bem remunerado e satisfeito”, diz Bezerra, criticando a proposta do Executivo que oferece reposição inflacionária de 6% em três parcelas e vincula os outros 5,28% à adequação ao limite prudencial de 49% de gastos com pessoal, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal.
Além disso, o peemedebista destaca que foi prefeito de Rondonópolis por dois mandatos e governador quando a inflação no Brasil era galopante. “As duas vezes, lá em Rondonópolis, paguei o maior salário que os servidores já receberam na prefeitura. Aqui no Estado, a mesma coisa. O maior salário que os servidores receberam foi no período em que fui governador. Até hoje encontro gente que fez poupança em função do salário que recebia naquela época”. 
Bezerra também critica o que classifica como paralisia do Estado no setor da infraestrutura. Defende que Taques dê prosseguimento as obras da Copa e ao VLT, deixados como legado pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB). “O VLT é uma obra importantíssima para população mais pobre, que não tem nem bicicleta para se locomover. Espero que tudo de certo e se arrume as coisas nesse Governo", conclui.
Legado 
Antes de Bezerra deixar o Governo, em 14 de maio de 1990, a folha salarial do Executivo estava em dia. Entretanto, o sucessor Jayme Campos (DEM) assumiu o cargo com quatro meses em atraso.
Ao sair do Governo para ser derrotado na disputa ao Senado, Bezerra entregou o posto para o vice Edson de Freita, que sofreu acidente de ultraleve em Chapada dos Guimarães e ficou impossibilitado de exercer a função. Com isso, o então presidente da Assembleia Moisé Feltrin assumiu até o término do mandato.
Ao tomar posse em 1986, Bezerra rompeu com o então presidente da República José Sarney, porque o considerava como resquício da ditadura militar. Apesar de enfrentar oposição ferrenha na Assembleia, conseguiu promover alguns avanços. Entre eles as eleições diretas para diretores de escola e a criação da Delegacia da Mulher em Mato Grosso, que foi a segunda do país.
Por Jacques Gosch
Compartilhar no Google Plus
    Comentar com o Site
    Comentar com o Facebook

0 comentários :

Postar um comentário

Comentários são de responsabilidade se seus autores

Copyright © Roteiro Notícias - Guarantã do Norte e Região
Rua Natal, 550 – Jardim Vitória – Guarantã do Norte - MT
Email: celioroteiro2009@hotmail.com - Fone: (66) 9604 - 2681
Todo material deste site pode ser reproduzido ou editado desde que citada a fonte: Roteiro Notícias
WEBSITE DESENVOLVIDO POR:

Tenha um site!